Qual o preço de uma boa consulta médica?

preço da consulta médica

Estipular o preço da consulta médica é algo extremamente complexo: além da saúde ser o bem mais valioso de uma pessoa, sabemos como o ensino de medicina é altamente demorado e extremamente dispendioso. No entanto, não dá para fugir das estratégias e necessidades do mercado.

O profissional de saúde, como outro qualquer, precisa do lucro para manter o seu consultório, os seus funcionários e, acima de tudo, a atualização constante dos seus conhecimentos. Por isso mesmo, é árdua a tarefa de precificar uma boa consulta médica. Porém, com as atitudes certas, é possível chegar a um valor ideal. Quer descobrir como? Então, confira o artigo a seguir:

A culpa é do paciente?

Um dos grandes problemas dos profissionais de saúde está nas famosas “olhadinhas”: os pacientes não consideram justo pagar pelo que encaram apenas como uma análise superficial dos seus problemas e questionamentos. Isso desperta sentimentos negativos no médico, afinal aquela “olhadinha” está repleta de anos de estudos exaustivos e do mais elevado conhecimento científico. Mas será que a culpa é mesmo do paciente?

O fato é que muitos colegas do ramo acabaram desvalorizando o atendimento e cabe a você reverter esse processo se quiser precificar corretamente. Transforme essa “olhadinha” em uma consulta: é essencial fazer uma excelente anamnese nos primeiros encontros, bem como se mostrar solícito para responder todas as dúvidas e explicar os procedimentos para seus clientes. Reserve de 40 minutos a uma hora para isso — muitas vezes, o fator “pressa” é que acaba denegrindo a qualidade de uma boa relação médico-paciente. Após gerar empatia, tenha certeza de que qualquer pessoa estará mais disposta a pagar o valor justo pelo serviço que estão demandando.

Considere sua estrutura e localização

Esse é um fator crucial para determinar o custo da consulta médica. Você deve analisar o local onde sua clínica ou consultório está inserido: certamente, os valores de aluguel em um bairro nobre, com fácil acesso e total segurança serão muito maiores do que em outras localidades que não apresentam os mesmos benefícios. Outro ponto crucial é a estrutura: se seus colaboradores ou secretárias são altamente capacitados e treinados, seu ambiente oferece conforto e diversas facilidades para os clientes, esses pontos devem necessariamente entrar na conta. O ajuste dessas variáveis – estrutura e localização – é fundamental para determinação de um preço justo e condizente com o que está sendo oferecido ao paciente.

Estude o mercado

O mercado, evidentemente, precisa ser considerado na hora de precificar a consulta médica. Busque identificar quanto estão cobrando os profissionais que atendem um público com perfil parecido com o seu. Inclua na busca a região em que você trabalha e não deixe de analisar até mesmo médicos de outras especialidades. Anote essas informações e produza uma pequena tabela com os valores, pois isso já fornecerá uma boa ideia de como anda o seu setor e contribuirá para que você cobre uma quantia que não fuja aos padrões de atendimento na área em que você está inserido.

Como tratar a questão do pagamento?

Por fim, a questão de pagamento é um aspecto que pode causar constrangimento para muitos pacientes e até mesmo para os profissionais. O ideal seria ter uma área reservada apenas para isso, com um colaborador bem treinado e orientado para lidar com essa questão. Como nem sempre isso é possível, busque explicar para sua secretária os seus valores e instrua para que ela deixe o paciente bastante confortável nesse momento: pode ser interessante oferecer uma água ou um café durante a passagem de cartões ou preenchimento de cheques. Se possível, facilite o pagamento, estenda prazos e ofereça descontos para clientes antigos: esses pequenos agrados podem criar relações duradouras e proveitosas para ambos os lados.

Essas são algumas dicas na hora de precificar a consulta médica. Com bom-senso e inteligência, é possível cobrar valores justos para um preço da consulta médica e que justifiquem todo o investimento financeiro e acadêmico do profissional.

Quer aprender mais sobre o tema ou receber outros artigos como esse em primeira mão? Assine a nossa newsletter!